Seja Bem Vindo ao Blog do Marcio Lopes, você é a nossa razão...

Marcio Lopes é Chef de Cozinha, professor e consultor na área de gastronomia.

Quero todo dia aprender com vocês.

Sejam Bem Vindos ao meu Blog, vocês são a razão deste. Sem vocês eu não teria motivação para escrever.........


sexta-feira, 29 de abril de 2011

OS 10 PIORES ALIMENTOS PARA O CORPO HUMANO

Nutricionistas, listão quais são os 10 piores alimentos para o corpo humano ou como transformar o ser humano numa bola de carne doente.

Neste caso, eles engordam e podem matar. Se não matarem vão diminuir toda espécie de performance a que você já se acostumou ou vão te deixar bem doente... não tão já, mas num futuro próximo! Industrias alimentícias e seus executivos pensam apenas em ganhos, mesmo que hajam nutricionistas competentes na empresa, as ordens vem de cima, baratear os custos para aumentar a margem de lucro. E quem perde a saúde com isso?

Dessa maneira os 10 maiores vilões da alimentação, são:

10º lugar: Sorvete:

Apesar de existirem versões mais saudáveis que os tradicionais sorvetes industrializados, a nutricionista Michelle Schoffro Cook adverte que esse alimento geralmente possui altos níveis de açúcar... e gorduras trans, além de corantes e de saborizantes artificiais, muitos dos quais possuem neurotoxinas – substâncias químicas que podem causar danos no cérebro e no sistema nervoso.

9º lugar: Salgadinho de milho:

De acordo com Michelle, desde o surgimento dos alimentos transgênicos, a maior parte do milho que comemos é um “Frankenfood”, ou “comida Frankenstein”. Ela aponta que esse alimento pode causar flutuação dos níveis de açúcar no sangue, levando a mudanças no humor, ganho de peso e irritabilidade, entre outros sintomas. Além disso, a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo, que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.
8º lugar: Pizza:

A nutricionista Michelle destaca que nem todas as pizzas são ruins para a saúde, mas a maioria das que são vendidas congeladas em supermercados está cheia de condicionadores de massa artificiais e conservantes. Feitas com farinha branca, essas pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro, causando aumento de peso e desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.

7º lugar: Batatas fritas:

Contêm não apenas gorduras trans, que já foram relacionadas a uma longa lista de doenças, mas também uma das mais potentes substâncias cancerígenas presentes em alimentos: a acrilamida, que é formada quando batatas brancas são aquecidas em altas temperaturas. Além disso, a maioria dos óleos utilizados para fritar as batatas se torna rançosa na presença do oxigênio ou em altas temperaturas, gerando alimentos que podem causar inflamações no corpo.

6º lugar: Salgadinhos de batata:

Além de causarem todos os danos das batatas fritas comuns e não trazerem nenhum benefício nutricional, esses salgadinhos contêm níveis mais altos de acrilamida, que também é cancerígena.

5º lugar: Bacon:

Segundo a nutricionista, o consumo diário de carnes processadas, como Bacon, pode aumentar o risco de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Um estudo da Universidade de Colúmbia, nos Estados Unidos, descobriu ainda que comer 14 porções de Bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças ligadas ao órgão

4º lugar: Cachorro-quente:

Michelle cita um estudo da Universidade do Havaí, também nos EUA, que mostrou que o consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer de pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado tanto no cachorro-quente quanto no bacon é o nitrito de sódio, uma substância cancerígena relacionada a doenças como leucemia em crianças e tumores cerebrais em bebês. Outros estudos apontam que a substância pode desencadear câncer colorretal

3º lugar: Donuts (rosquinhas):

Entre 35% e 40% da composição dos donuts é de gorduras trans, “o pior tipo de gordura que você pode ingerir”, alerta a nutricionista. Essas substâncias estão relacionadas a doenças cardíacas e cerebrais, além de câncer. Para completar, esses alimentos são repletos de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares, e contêm, em média, 300 calorias cada.


2º lugar: Refrigerante:

Michelle conta que, de acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola, uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos. “Somente isso já deveria fazer você repensar seu consumo de refrigerantes”, diz a nutricionista. Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, ela informa que os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.


1º lugar: Refrigerante Diet:

“É a minha escolha para o pior alimento de todos os tempos”, diz Michelle. Segundo a nutricionista, além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet. De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte “Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e pós-pólio. É por isso que eu dou ao Refrigerante Diet o prêmio de Pior Alimento de Todos os Tempos”, conclui.


Bom, é isso pessoal, acredite quem quiser, mas pode-se também acreditar nas industrias de alimentos que faturam bilhões por dia e estão pouco se incomodando com vc.

O melhor site para tirar suas duvidas quanto alguns produtos aqui mencionados é http://www.anvisa.gov.br/ é muito bom saber o que comemos.


Chef Marcio Lopes " sempre com vocês."





quarta-feira, 27 de abril de 2011

O Brigadeiro conquista a América.

video

O que eu vou falar. É muito bom mesmo comer Brigadeiros.

Virou Febre a ideia de Brigadeiros Gourmets, a cada dia vejo mais e mais lojas especializadas neste segmento.

Parabéns, para aqueles que vislumbraram este mercado.


Chef Marcio Lopes "sempre com vocês."

terça-feira, 26 de abril de 2011

Coquetelaria - As curiosidades sobre o surgimento dessa técnica.

O surgimento da coquetelaria



Quando o aumento do comércio entre nações apresentou sensível elevação no final do século 18, um fato é relevante e educativo: a alquimia entre bebidas internacionais a serviço da hospitalidade. Os vermutes da região do Piemonte, Itália, ajudavam a suavizar os rudes gins fabricados pelos ingleses naquele momento. Isso ajudou substancialmente o comércio de bebidas e outros produtos entre ambos, promovendo inexoravelmente o intercâmbio cultural entre esses países, conhecidos na época pelo fundamentalismo de costumes e cultura.

Das mais diversas versões do surgimento da coquetelaria destacamos três: a primeira remete a uma obra inglesa publicada na década de 1870, em que se louvava os benefícios trazidos aos bares ingleses pela convivência com a França. As bebidas misturadas eram chamadas de cobler, cooler, crusta, cup, daisy, fix, flip, julep, negus, nog, sangaree, sling, smash, rickey, posset e... cocktail.

Para este último, há um registro no livro com uma curiosa receita: uma colher de sopa de bitter, duas doses de gim, meia de xarope de gengibre e meia de curaçau, tudo misturado e servidos em copos com as bords úmidas de suco de limão. Essa mesma obra reconhecia que a arte dos coquetéis já havia chegado aos EUA. E foram os americanos, na verdade, que os consagraram, transformando-os em uma espécie de mania nacional durante os anos 1920 ( início da era do jazz), mesmo durante a Lei Seca, como uma maneira de disfarçar o terrível sabor das bebidas fabricadas ilegalmente.

Outra versão surge na mesma Inglaterra, em 1879. Dois irmãos apreciavam o hábito de fazer misturas alcoólicas e bebê-las em pé nos balcões dos bares. Detalhe: as bebidas eram misturadas dentro de dois copos encaixados pelas bocas. E uma última vem da Pensilvânia, Estados Unidos, e confere a Mr. Boston, proprietário de ma fábrica de bebidas e escritor de um livro sobre bebidas e coquetéis, a criação da coquetelaria. Outros autores afirmam que o recipiente seria criação de um barman de um transatlântico, que navegava dos EUA para a Europa no final do século XIX. Ele teria se utilizado de dois copos encaixados pelas aberturas para fazer o shake. Esa, na verdade, é a famosa coqueteleira de Boston, a mais utilizada por bartenders americanos e europeus.



A origem do termo



A origem do termo é também motivo de controvérsias e mais especulações.

Para o connaisseur John Doxat, a palavra foi criada pelo lendário escritor e bom vivant, o inglês Dr. Johnson. Ele teria comparado a pecaminosa mistura de vinhos com destilados fortes aos cavalos de sangue misturado, que no interior da Inglaterra tinham seus rabos cortados ( em inglês cocked tails). Outra teoria afirma que o termo teria origem nas brigas de galos, em que as penas eram usadas para mexer ou decorar as bebidas dos apostadores na região do Mississipi. Há ainda um drinque preparado e batizado por uma linda garota mexicana chamada Coctel.

Já a taberneira Betsy Flanaghan, viúva de um soldado revolucionário, teria roubado as penas de um galo do inimigo para decorar os drinques que servia em seu bar. Porém a mais hilária dessas suposições fala de um taberneiro de Massachusetts, o irlandês Flanaghan, que vivia as turras com seu vizinho compatriota, mas religioso e avesso às farras promovidas pelo dono do bar. Flanaghan, devido ao funcionamento de seu estabelecimento noturno, era invariavelmente acordado pelo galo de seu vizinho, um pastor protestante pra lá de radical. Numa de suas pregações, o pastor ousou pregar justamente no bar de Flanaghan, que decidiu se vingar: na calada da noite depenou o galo que sempre o despertava após o trabalho, e no dia seguinte serviu seus clientes com uma bebida decorada sugestivamente com as penas do galo. A brincadeira se tornou uma expressão que seria usada ironicamente por todos aqueles convivas: “ Por favor, um cocktail ( rabo de galo)!” Verdade ou lenda, o fato é que curiosamente o nome do personagem de Tom Cruise no antológico filme “Cocktail” é Flanaghan.



Chef Marcio Lopes "sempre com vocês."|

segunda-feira, 25 de abril de 2011

A Evolução das Bebidas

Supõe-se que o primeiro contato do nosso antepassado primitivo, o proto-homem, com a bebida alcoólica foi ao ingerir uma fruta fermentada naturalmente, pelo ataque de leveduras selvagens no rompimento de sua casca, transformando a glicose em álcool etílico. Desde então, essa transformação acompanha a evolução da civilização, sendo fator determinante, muitas vezes, na auto-afirmação, simbolismo e até valorização da cultura de cada povo e localidade. A mitologia e o simbolismo antigo atribuem a vinha e ao vinho, como bebida, poderes regenerativos e capacidade de aproximar o homem da divindade. A bebida desde então serviu como elemento de rituais religiosos, festivos, e muitas vezes medicinais.

Dos efeitos estimulantes ou relaxantes provocados pelo consumo das mais diversas formas e expressões de bebidas, com exceção da água, até a perda de sentidos coletivos como fenômeno social, a bebida sempre foi ao longo da história humana elo promotor da sociabilidade entre os homens e membros de diferentes culturas e procedências.

As bebidas alcoólicas estão no âmago central de todas as celebrações sociais desde os primórdios da civilização. O apreço pelos efeitos relaxantes ou estimulantes que elas promovem fez com que este elemento estivesse presente em rituais das mais distintas naturezas. Desde que as primeiras comunidades se iniciaram no cultivo de grãos, com o advento da agricultura, é possível precisar a importância que as bebidas tiveram como prazer humano.

Do Egito antigo surgiram os processos rudimentares da fabricação de cerveja e o ato social do encontro após as atividades profissionais; o vinho era utilizado pelos médicos contemporâneos a esses mesmos egípcios como agente amenizador das dores e enfermidades. Mais tarde a importância do pão e vinho no mundo cristão fundamentando os rituais religiosos fez com que a bebida fosse citada 150 vezes no Velho Testamento e 10 vezes no Novo Testamento. Como elemento emblemático de uma nova cultura, o vinho foi fator simbólico no aculturamento dos povos bárbaros promovidos pelos romanos através de sua política da “Pax Romana” e dos foederati, que contribuíram para a difusão da bebida por toda a Europa.

Os mosteiros seriam após a queda de Roma os arautos de preservação da cultura vínica e muitas outras descobertas relacionadas às bebidas alcoólicas. Entre os séculos X e XV surgiram as principais bebidas destiladas na Europa, dentre elas a vodka, o whisky e o conhaque. Acredita-se até que a vodka teria sido fator responsável pela conversão dos russos ao cristianismo, com o veredicto do Príncipe Vladimir de Kiev que preteriu as severas restrições do islamismo em relação ao consumo do álcool.

A tecnologia das navegações marítimas levou os europeus a um conhecimento sem precedentes no planeta. A descoberta do chocolate e do café fez com que hábitos mudassem radicalmente em virtude dos efeitos estimulantes provocados por essas bebidas. O consumo do café e do chocolate se tornaria moda na Europa, sobretudo na França, com o café, e com a Espanha com as chocolaterias. Esses elementos foram fatores promotores de sociabilidade, pois seu consumo estimulava tais rituais.

 
 
A evolução da humanidade a cada dia nós dá uma noção do que podemos fazer. No ramo da gastronomia estamos ainda aprendendo e temos o infinito ao nosso alcance.
 
 
Chef Marcio lopes "sempre querendo estar com vocês."

Frutas exóticas - Cada dia uma novidade.



Conhecer as  novidades é  fundamental para criar.


Chef Marcio Lopes


domingo, 24 de abril de 2011

Mercado Municipal de São Paulo ganha visita guiada.




Vem conhecer esse patrimônio da gastronomia.



Chef Marcio Lopes

Roteiro do Café - Uma dica para conhecer um pouco de São Paulo





A Bolsa do Café em Santos foi inaugurada em 1922. Naquela época o café representava 50% de tudo que exportavamos. Já imaginou a riqueza que era o café naquele tempo, não era a toa que os fazendeiros eram conhecidos como os Barões do Café.


Chef Marcio Lopes

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Eu quero ter um milhão de amigos. Campanha SEJA SEGUIDOR DESTE BLOG.



Eu quero que ter um milhão de amigos, quero escrever para vocês.

Se tornem seguidores deste blog, vamos aumentar a lista que hoje é de 45 pessoa para um MILHÃO de Amigos..

Quero escrever cada vez mais para vocês. Divulguem para seus amigos, vamos cantar cada vez mais forte. Eu quero apenas escrever para um MILHÃO DE AMIGOS.


Chef Marcio Lopes "quero um milhão de amigos."


































Frapê de Chocolate - Xamego Bom






Vamos criar, estou esperando a sua receita!!!!



Chef Marcio Lopes "sempre com vocês."

terça-feira, 12 de abril de 2011

Caipirinha. O mais famoso coquetel brasileiro.

Caipirinha: um capítulo à parte



Coquetéis possuem um simbolismo identificador da cultura de expressão inegável. O mais famoso coquetel brasileiro é um elo de identificação cultural para os estrangeiros que visitam o Brasil como é a Margarita, para o México, pois sua origem é popular, motivo para muitos etnógrafos justificarem sua longevidade e sobrevivência cultural. Segundo Souza, nas festas os escravos costumavam beber uma mistura de garapa ou cachaça com suco de frutas. A mais famosa era a batida de limão, que pode ser considerada a precursora da Caipirinha. Acredita-se que o notório coquetel brasileiro tenha nascido no interior de São Paulo ( o que explicaria o nome do aperitivo) como remédio contra a gripe. A bebida seria à base de limão-galego, mel e alho.

Ousados, representantes da vanguarda intelectual da primeira metade do século XX, para muitos pretensiosos, mas sobretudo, fundamentais para a construção dos elementos que compuseram a identidade cultural nacional, os Modernistas adotaram a cachaça como bebida genuinamente brasileira. A valorização dessa identidade como patrimônio cultural nacional teve nesse grupo de intelectuais a responsabilidade pela preservação dos vestígios mais significativos da cultura brasileira, que de alguma forma foram marcantes no passado da nação. Há diversas citações da valorização da bebida pelos Modernistas como um produto mediador da sociabilidade entre as classes sociais, apesar da aparente aversão das elites burguesas que a discriminavam como um produto pouco refinado. Mas segundo uma declaração recente da autora da mais nova biografia de um dos pilares dos ideais Modernistas, a pintora Tarsila do Amaral, até os aristocratas brasileiros consumiam a bebida com apreço.

Tarsila inclusive organizava na década de 20, com seu marido Oswald de Andrade, famosas feijoadas em Paris. O feijão preto e a carne de porco eram até fáceis de conseguir, mas a cachaça para a caipirinha vinha do Brasil e passava pela alfândega francesa rotulada como “produto de beleza”. Em seu atelier, Tarsila era requisitada por diversas personalidades da época que apreciavam nossa cachaça. Ela mesma preparava a caipirinha, cuja receita era própria. Nas fazendas de seu pai era cultivada a cana de açúcar e a cachaça era também apreciada em sua família.

Um fenômeno de simplicidade e requinte, a Caipirinha virou sinônimo de alegria e espontaneidade do povo brasileiro. Provar a bebida é como sentir o gosto do Brasil. Em 1998, graças aos esforços de Derivan Ferreira de Souza, ex presidente da ABB (Associação Brasileira de Barmen) e ex-presidente da IBA (Internacional Bartenders Association) da América Latina, a Caipirinha se tornou um dos 62 coquetéis oficiais da IBA, tendo seu receituário inscrito no livro dos coquetéis clássicos. Segundo a ABRABE, graças ao sucesso da Caipirinha, a cachaça ingressou no mercado externo e está conquistando cada vez mais um público maior. Aliás, todos os que já recepcionaram estrangeiros no Brasil sabem que a bebida é o mais apreciado cartão de visitas do país.

A Caipirinha, assim como o queijo mineiro, a feijoada e o churrasco, representam a identidade brasileira cultural e para o povo brasileiro é parte do patrimônio cultural do Brasil. Augustin Santana Talavera, editor da revista Pasos, define patrimônio como a síntese simbólica dos valores identificadores de uma sociedade que o reconhece como próprio e relaciona uma sociedade ou cultura com seu ambiente.

CACHAÇA
Origem: Sá de Miranda registra a sua presença em Portugal no fim do século XV.

Passou a ser produzida na Ilha da Madeira, aperfeiçoando-se no norte do Brasil.

Não se sabe ao certo o período colonial da sua introdução no país. Após a Independência já existia cachaça no Brasil. A definição “cachaça” é de 1913. Vinho das Borras, aguardente do mel ou borras de melaço.

1584 – registra o primeiro Alambique do país.

Processo de fabricação: cana de açúcar, leveduras e água. Moagem do suco, destilação e envelhecimento natural em tonéis.

A CAIPIRINHA

1 dose (5 cl / 2 onças) de Cachaça
2 colheres de bar de açúcar
½ limão

Montar em um copo Old Fashioned, colocando o açúcar e limão cortado em fatias finas sem o miolo.
Pressione o limão e o açúcar com o amassador, acrescente a Cachaça, o gelo e mexa.

Sirva com o mexedor.


CAIPIRINHA II (BATIDA DE LIMAO)

1 dose (5cl/ 2 onças) de Cachaça
1 colher de bar de açúcar
½ Suco de um limão

Preparar na Coqueteleira e servir em copo Old Fashioned com gelo.


Chef Marcio Lopes "sempre lembrando um pouco da nossa cultura."






sábado, 9 de abril de 2011

O Mágico Mauricio Torselli. Já foi meu aluno.



Maurício Torselli "O Psicólogo que virou Mágico".

O Maurício, já foi meu aluno. Em meados de 2008 entro no laboratório de cozinha, para dar aula em uma turma nova de Técnicas Básicas de Gastronomia, no SENAC, (adoro este curso é bárbaro), uma turma como qualquer outra, e lá estava ele, um rapaz que queria aprender a cozinhar, e todo o dia trazia suas perguntas e expectativas do curso, me dizia que praticava em casa, mas infelizmente sua cozinha em seu apartamento era muito pequena dizia, "se eu entrar, ninguém mais entra."
Mas se entusiasmava em meio às receitas e lá estava ele sempre interessado em fazer o seu cardápio e curioso com que os outros estavam praticando.
Lembro-me muito bem que quando descobriram que ele era Mágico, eles sempre pediam para ele fazer algumas em sala de aula. Fazia algumas, entortava o garfo, a colher e depois adeus talheres nunca mais desentortava, brincava com os temperos na hora de jogar o alho no molho ou na carne desaparecia o ingrediente, depois tirava do bolso do amigo. Podemos dizer que ele fazia suas mágicas com muita moderação. Queria aprender sobre carnes e peixes eram seus prazeres, dizia que gostava de preparar um bom prato e depois se fartar.

Espero que ele cozinhe tão bem hoje, como faz as suas mágicas.


Chef Marcio Lopes "sempre se lembrando de seus alunos."

terça-feira, 5 de abril de 2011

Podemos cozinhar com o uso do Telefone Celular???

Vamos testar se conseguimos cozinhar com o uso de Telefones Celulares.

Teste

1 Ovo
2 Celulares
65 Minutos para telefonar de um celular para o outro.

Montamos algo parecido com a imagem:

Iniciamos uma chamada entres os 2 celulares e deixamos durante 65 minutos aproximadamente…

Nos primeiros 15 minutos nada acontece;

Aos 25 minutos o ovo começa a aquecer;

Aos 45 minutos o ovo está quente;

Aos 65 minutos o ovo estará cozido?


Conclusão: a radiação emitida pelos celulares é capaz de modificar as proteínas do ovo. Imagina o que ela pode fazer com as proteínas do nosso cérebro quando falamos ao celular.
                                                                                                                                                                                                                          Aqui está o resultado depois de 65 minutos.


É possível. Acreditem se quiser.



"O Blog informa que não testou esta experiência, mas assustou-se com ela. Se alguém tiver tempo, paciência e conta de telefone sem limites, comunique ao Blog se é mesmo verdade."



Chef Marcio Lopes "sempre aprendendo".

domingo, 3 de abril de 2011

Vamos salvar os alimentos!!! O Planeta precisa de você!!!



A cada dia destruímos mais e mais o planeta, onde vamos parar desse jeito, o povo precisa se alimentar desse jeito não dá!

Desse jeito vamos criar um monte de Ilha das Flores.


Chef Marcio Lopes "preocupado com o futuro."